Defesa Civil do Estado participa de evento no Paraná

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Encontro deu início a tratativas para a celebração de cooperação técnico-científica com foco no diagnóstico de vulnerabilidades do território fluminense

 

A Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-RJ) participou, no dia 22 de abril, em Curitiba, de um evento de apresentação de resultados do projeto de parceria entre o governo do Paraná e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). O projeto focou na análise de dados de radar para previsão e prevenção de movimentos de massa.

O diretor do Centro de Estudos e Pesquisas em Defesa Civil (Cepedec), tenente-coronel Rodrigo Werner, representou a secretaria na ocasião. O oficial esteve à frente do projeto Fortalecimento da Estratégia Nacional para Gestão Integrada em Riscos de Desastres Naturais (Gides), de 2015 a 2018, em parceria com a Jica no eixo de previsão e alerta.

Ambos os projetos utilizam a mesma metodologia de emissão de alertas com base em curvas de correlação de chuvas horárias e acumuladas para previsão de eventos de movimento de massa, permitindo o aviso antecipado da população e a consequente evacuação para os pontos de apoio. 

Werner destacou a relevância do projeto realizado no estado do Paraná e informou que a participação da Sedec foi importante para compartilhar informações sobre os trabalhos realizados no Rio de Janeiro, assim como o uso de radares em banda X nos modelos empregados no Paraná.

 - As parcerias no sentido da utilização de radares móveis operando na banda X, efetuando o monitoramento meteorológico de modo regional, o emprego do software de gestão de risco geológico e o apoio técnico do  Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) são interessantes ao Estado do Rio de Janeiro. Uma possibilidade de troca de experiências contínua. Já iniciamos, inclusive, tratativas com o representante do Simepar para a celebração de cooperação técnico-científica com foco no diagnóstico de vulnerabilidades do território fluminense – ressaltou.

De acordo com o oficial, o software utilizado também é atualizado automaticamente a partir de eventos de chuva combinados com a ocorrência de deslizamentos, calibrando as informações a cada nova situação.

 - Isso permite que haja mais uma ferramenta para indicar a possibilidade de situações que possam afetar a população - complementou.

Presenças – O seminário contou com a participação do representante chefe da Jica no Brasil, Hiroshi Sato, e de profissionais da JRC e das defesas civis de São Paulo, Sergipe, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

 

 

© 2018 Defesa Civil - Rio de Janeiro. ASSINFO