Sedec-RJ realiza testes do sistema de alerta e alarme por sirenes

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Barra Mansa, Barra do Piraí e Areal foram os primeiros municípios contemplados com reforço na instrução

 

Representantes da Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-RJ) deram início, no dia 26 de setembro, a uma série de visitas aos municípios fluminenses que operam o sistema de alerta e alarme por sirenes. A ação faz parte do planejamento da pasta para instrução aos agentes locais sobre o gerenciamento dos equipamentos. Barra Mansa e Barra do Piraí receberam os militares nesta primeira agenda. Areal recebeu o grupo no dia 1° de outubro.

Nos encontros, as equipes da Superintendência Operacional (Suop), do Centro Estadual de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais  (Cemaden-RJ), da Escola de Defesa Civil (Esdec) e do Departamento Geral de Defesa Civil (DGDEC) esclarecem dúvidas e explicam sobre o sistema de alertas por SMS, a realização de exercícios simulados nas comunidades, a sinalização das rotas de fuga e pontos de apoio e a campanha Cidades Resilientes.

A verificação do sistema de alerta e alarme por sirenes é feita de maneira prática com o acionamento da sirene de três formas: remotamente pela equipe técnica do Cemaden-RJ; remotamente por meio de um celular ou computador ou manualmente pelos Coordenadores Municipais de Defesa Civil (COMDEC).

Os testes objetivam checar se os agentes municipais conseguem acionar as sirenes de acordo com os protocolos e se o serviço de manutenção corretiva e preventiva da empresa contratada, para garantir o pleno funcionamento, está satisfatório.

- Os municípios contemplados nesse contrato para ativação do sistema de alerta e alarme por sirenes foram capacitados no ato da entrega do serviço. Este teste é um reforço em que acompanhamos os agentes desde o login até o momento que a sirene soou na comunidade. Saímos de lá com a certeza de que a Defesa Civil municipal sabe acionar o equipamento remotamente ou manualmente, em caso de queda na comunicação -  explicou o tenente-coronel Watanabe, que é gerente de planejamento e controle da Suop.

Segundo o superintendente operacional de Defesa Civil do Estado, coronel Bruno Braga, é preciso estar preparado para operar o recurso.

- A Defesa Civil Estadual custeou a operacionalização do sistema e é de extrema importância saber se o órgão municipal está preparado para lidar com o equipamento em caso de um desastre – complementou o oficial. 

                                                                                         BARRA MANSA

                                                                                       BARRA DO PIRAÍ

                                                                                              AREAL

© 2018 Defesa Civil - Rio de Janeiro. ASSINFO