Defesa Civil Estadual participa do programa “Roda de Mulheres” em Petrópolis

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Encontro discutiu o papel feminino nas mudanças comportamentais em relação à gestão de riscos de desastres 

 

A Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-RJ) participou, no dia 6 de fevereiro, em Petrópolis, da primeira Roda de Mulheres, uma iniciativa do Programa de Segurança Humana, denominado Morte Zero, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O tema do encontro foi “o papel da mulher nas mudanças comportamentais em relação à gestão de riscos de desastres”.

O evento reuniu 45 mulheres e contou com a participação de procuradoras, profissionais de Defesa Civil estaduais e municipais, bombeiras, líderes comunitárias, professoras, historiadoras. A Sedec-RJ foi representada pela diretora do Centro de Estudos e Pesquisas em Defesa Civil (CEPEDEC),  tenente-coronel Kellen Salles; pela assistente social, tenente-coronel Gabriela Franco e pela agente de Defesa Civil,  Célia Barbosa Macedo. A Roda foi conduzida pelo educador social Rodrigo Almeida, representante da instituição Save The Children. Os próximos encontros acontecerão em Silva Jardim, no dia 20 de março; na Rocinha, no dia 27 de março e em Niterói, no dia 13 de abril. 

O Programa Morte Zero desenvolve ações de mobilização na sociedade para adoção de procedimentos de segurança a serem seguidos em épocas de fortes chuvas. A procuradora Denise Tarin coordena o projeto.  

 

Roda de Mulheres

 

A iniciativa busca mobilizar o público feminino que vive nas áreas vulneráveis a desastres naturais, por meio de lideranças para a adoção de medidas de segurança e redução de risco. O foco nas mulheres surgiu a partir do reconhecimento do protagonismo assumido por elas, em 2011, nas chuvas de verão de Petrópolis. O Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Nudec) do Vale do Cuiabá, coordenado pela líder comunitária Cristina Rosário, foi fruto deste destaque e é referência no Estado. Após sofrer o impacto do desastre naquele ano, Cristina passou a mobilizar a comunidade local, primeiro reunindo mulheres da família, amigas e vizinhas. Começaram, então, a se organizar para traçarem diretrizes para avançar no tema de redução de risco de desastres. 

 

© 2018 Defesa Civil - Rio de Janeiro. ASSINFO